4 de fevereiro de 2013

Rotinas, para que vos quero

Ainda estava eu grávida e já pensávamos como seria a rotina do nosso bebé. Mas assim que ele nasceu, nada do que estava "planeado" aconteceu. Era a desorganização total. Só tinha a certeza de uma coisa: as noites nunca mais voltaram a ser as mesmas!
Em Agosto do ano passado, tinha o Baby Boy 2 meses, encontrei numa livraria o Livro do Bebé Feliz, de Gina Ford (uma enfermeira bastante experiente). Ela defende que todos os bebés devem ter uma rotina e só assim eles e os pais serão felizes. Agarrei-me ao livro e fui lendo e relendo. A senhora tem ali uma rotina mais rígida que os meus treinos! E eu pensava que os meus treinos eram exigentes.
Não concordando com tudo o que lá vem escrito, o livro veio relembrar-me de que é bom os bebés terem uma rotina. E assim começámos a tentar ter uma, à nossa maneira. Nem sempre é possível, pois com os horários dos meus treinos e as atividades desportivas que o maridão também tem, quase que nos sobra um dia da semana para "estarmos em família e por nossa casa". Vai-me valendo o horário reduzido que me permite curtir o meu filho a partir das 16h. Ao fim de semana, com sorte, temos o Domingo à tarde só para os três.
Ontem não foi exceção. Com um sol espetacular, arranjámos tudo o que era necessário para passar a tarde no passeio, mesmo até ao pôr-do-sol. E foi também ontem que o Baby Boy começou com 2 refeições. Açorda de peixe ao almoço e sopa de legumes ao jantar. Pelo meio aviou uma papinha e ainda uma maçã com uma bolacha maria. Começamos agora uma adaptação a um outro esquema alimentar!
O que é certo é que depois da sopa o Baby Boy adormeceu (21h) e não havia jeito de acordar. Nós fizemos-lhe a vontade e às 23h, muito devagarinho, vestimos-lhe o pijama, demos o leiteinho e mudamos-lhe a fralda. E ele sempre a dormir! Porreiro pá, tu queres ver que ele vai começar a deitar-se assim cedo?!
5h30 da matina e Baby Boy chama pelos papás "abuuuu, abuuuu, abuuuu". Lá vou eu a pensar "é só procurar a chupeta e ele volta ao seu sono". Nada disso. Baby Boy completamente atravessado na cama, a dar com os pés nas grades e com um sorriso de orelha a orelha! Baby, helloooooo, não são horas para brincadeiras! O cansaço era tanto que não pensei duas vezes. Meti o Baby entre nós e lá ficou na nossa cama até de manhã. Não descansou enquanto não ocupou metade da cama, com a cabeça para o lado do pai e os pés (que mexeram muito naquelas horas) para o lado da mãe.
Lá se foi a rotina. Lá se foi a minha teoria de não levar os filhos para a cama dos pais!

No final do passeio de Domingo.

1 comentário:

  1. É tão fácil ceder-mos ao meio da noite. Se não queres que se torne hábito tenta que não se repita se não "já foste" ;)
    As rotinas vão-se alterando conforme as refeições, pelo menos aqui em casa foi assim, mas agora já está mais ou menos estabelecido e não varia muito... tudo se compõe! ;) beijinhos*

    ResponderEliminar