30 de novembro de 2015

Tarde de filho único

Durante o fim de semana fiquei com uma tarde livre só para mim e para o Baby Boy. Como está cada vez mais difícil conseguir que ele faça a sesta em casa (porque na escola ainda fazem e ele é dos mais dorminhocos) e como agora anoitece mais cedo, decidi ir com ele passear até ao parque. 
Vestimos roupa de desporto e enquanto andou de bicicleta eu corri atrás dele. Saltámos nas folhas, descobrimos o caminho de galhos que indicava a casa dos hipopótamos (esta parte é fictícia, mas eu quase sempre alinho nas histórias imaginárias dele) e passámos ao lado da casa do lobo mau (uma parte sombria de arbustos....mais uma história, claro), que por sinal estava a dormir e não nos viu.
E como o tempo estava tão agradável, ainda fomos andar um bocadinho até à praia. 
Claro que depois de tanto exercício, assim que ele entrou no carro aterrou por completo. Eu não dormi, mas fiquei tão exausta que até pensei "aqui está uma forma mais lúdica de fazer exercício".
Adorei esta experiência de passear só com ele, sem estar preocupada com a logística de andar com a Baby Girl. Gostei de entrar nas aventuras fantásticas que ele cria no seu imaginário e transmite com tanto sentimento e verdade. O tempo foi exclusivo dele. No final, quando eu disse que íamos comprar um gelado, ele agarrou-se à minha perna e disse "mamã, adoro-te muito"......e depois começou aos saltos a cantar "GELADO, GELADO"!
E enquanto não vem a chuva e o frio à séria, há que aproveitar todos os bocadinhos que temos disponíveis para passear ao ar livre.

 




26 de novembro de 2015

Running time

Assim que o médico me deu autorização para o exercício físico após o parto, comecei muito lentamente com as corridas. Mesmo estando de licença de maternidade, parece que o tempo voava e não sobrava muito espaço para o exercício. Desculpas também não faltavam. Mas lá me fui arranjando. Alternava entre parques e marginais, tempo solarengo e de chuva com ventos fortes. Se tinha oportunidade ia sem pensar. Cinco minutos, dez minutos, não importava, tinha era que me mexer.
Depois de vários cenários e horários, com a licença a chegar ao fim e com a imposição de novas rotinas familiares, cheguei à conclusão que logo de manhã cedo é quando me dá mais jeito. E quando digo cedo, é mesmo muiiiiiito cedo. Acordar meia hora antes do habitual, correr, tomar banho e estou pronta para "começar" o dia. Para já ainda não corro muito tempo, por isso às 6h30 estou a (tentar) sair da cama.
E as pessoas que me conhecem perguntam: "E não te custa?". Uiiiiiii, se custa. Então agora com o frio e chuva custa-me muito mesmo, mas é assim ou já sei que durante o resto do dia não vou encontrar espaço para o exercício.

Ontem, ao sair de casa para correr, postei uma imagem no instagram....ainda era de noite! Quando regressei e peguei no telemóvel para finalizar a aplicação da Nike+, tinha comentários de seguidoras que me deixaram emocionada e ainda mais motivada. Não sendo eu uma blogger conhecida da praça, receber mensagens de pessoas que não conheço só me dão mais força para continuar e não achar que isto vai ser em vão. MUITO OBRIGADA, do fundo do coração. Atenção, seguidores que são meus amigos e familiares, também fico super contente quando recebo mensagens vossas, ok? ;)

E agora, três coisinhas que me deram um emporrãozinho extra nestas minhas pequenas corridas. A primeira foi ter ido a uma livraria e passar uma vista de olhos no novo livro da Carolina Patrocínio. Estou a ponderar comprá-lo (ou se alguém me quiser oferecer no Natal..........fica a dica). A segunda foi descarregar a aplicação de corrida da Nike+ que me vai dando um feedback do que vou fazendo: tempo por minuto, kms percorridos, tempo gasto na corrida......e ainda tem uns programas com "treinador" para todo o tipo de atletas e objetivos. Vale a pena! E por fim, inscrevi-me numa caminhada de 5km com o objetivo de ir em corrida. É no final de dezembro e até lá tenho que me preparar!


10 de novembro de 2015

As noites

Poucos dias após a Baby Girl completar os 3 meses, decidimos colocá-la a dormir no seu quarto, que para já também é o quarto do irmão. Apesar de termos um quarto disponível para ela, achamos que a partilha do mesmo espaço entre irmãos tem muitas vantagens.
Antes desta mudança eu estava com alguns receios. Apesar do Baby Boy ainda ser pequeno, 3 anos de diferença nestas idades implica necessidades e rotinas completamente diferentes. E como íamos conseguir adormecer o Baby Boy no quarto dele quando a maninha se deita mais cedo? E se um deles chorar, o outro vai acordar? E para dar o último biberão de leite, o mano não vai acordar?
Bem, questões à parte, arriscamos. Já lá vão 4 semanas e para já não nos podemos queixar....de nada! Ele já sabe que quando entra no quarto a mana já está a dormir e faz o que lhe peço, um barulho baixinho (como quem diz, sussurra). Entretanto adormece e, um pouco mais tarde, o meu marido entra em ação. Vai buscar a Baby Girl e dá o último biberão de leite no nosso quarto, sempre com luz fraquinha e sem a despertar. Volta a colocá-la na cama dela e tem dormido até de manhã. Nem sempre dormem seguido. Ela porque quer a chupeta, ele porque quer água ou acha que já é de manhã. Mas o que é certo é que quando um deles acorda a chamar o outro não desperta, acho que nem dá por isso. Também já tivemos uma ou outra noite um pouco mais atribuladas, mas o saldo é bastante positivo. Vamos ver se assim continua, tudo no bom caminho.
Os quartos de nossa casa não são muito grandes, mas temos espaço suficiente para dormirem juntos, pelo menos até acharmos que cada um precisa do seu próprio espaço ou no caso de algum deles estar a prejudicar frequentemente o sono do outro.

Quando eu era pequena também cheguei a partilhar o quarto com os meus irmãos, pois tinha medo de ficar sozinha no meu. Havia noites em que fazíamos tiro ao peluche, que era basicamente atirar os meus bonecos de uma cama para a outra a tentar acertar uns nos outros. O edredon era o nosso escudo. Era uma animação.
Espero que os meus filhos também tenham peripécias engraçadas para contar e que desenvolvam uma grande amizade, como a que eu tenho com os meus irmãos.

Bons sonhos.





4 de novembro de 2015

Ser mãe também é...

...dizer ao Baby Boy que assim que o episódio de desenhos animados acabar tem que ir dormir e ouvir de seguida "mamã, vai para a cozinha".
WHAT?!?!?!