15 de setembro de 2016

Back to School

Chegou aquele dia de setembro tão esperado. Mais pelos pais que pelo Baby Boy. Tentámos não insistir muito sobre o assunto com ele. Para quê?! Já sabíamos que íamos ser bombardeados com perguntas e que a ansiedade ia aumentar. Há uns dias atrás contámos-lhe que ia para uma escola nova. Amigos novos. Brinquedos novos. Espaços novos. Educadora nova. Tudo "novo"! Falámos de todas as vantagens, pois na verdade não há desvantagens. Ele pareceu entusiasmado...até que hoje de manhã disse "quero ir para a escola velha". Disse-lhe que não era possível. Ele perguntou porquê. Tentei ir pelo caminho mais fácil e dizer que agora era só uma escola de bebés. Ele disse que era mentira. Desarmou-me. Contei-lhe a verdade. Daqui a dois anos ia ter que mudar, não havia volta a dar. E nesta escola nova ele vai poder andar mais tempo com os amigos que agora vai fazer.
Como é que uma criança de 4 anos compreende isto?! Não sei. Dizem que eles compreendem mais do que aquilo que imaginamos. Eu acredito. 
Lá fomos nós com o nosso Baby Boy crescido. Nesta escola, o primeiro dia de aulas é com os pais. Ficámos todos na sala a desenhar, a conhecer o espaço juntos, a brincar e a descobrir que afinal há brinquedos que na escola velha também havia. Quando saímos ele perguntou porque é que tinha que mudar!
"Filho, é estranho termos que ficar num sítio onde não conhecemos ninguém, não é? Também aconteceu com a mamã. Quando mudei de escola não conhecia ninguém e achei que ia ficar perdida. Mas todos os dias vamos conhecendo melhor os meninos e as educadoras e depois mais tarde até podemos ser bons amigos. Vais ver que daqui a uns dias já te sentes melhor, é normal!" No meio de tanta coisa que me passou pela cabeça foi o que me saiu. 
Sei que amanhã não vai ser fácil. Apesar de saber que ele compreendeu, também gosta muito das suas coisas e daquilo que conhece. Quem não gosta?! Agora é calma e paciência, com muito amor tudo se resolve :)


1 comentário:

  1. Boa sorte que a adaptação seja rápida e por muito que nos custe (a nós e a eles) eles acabam por se adaptar. :)

    ResponderEliminar